Destaques da NASA: Fotos astronômicas da semana (10/1 a 10/07/2022)

 103 total views

Se você é fã de fotos de objetos espaciais de formas estranhas, você vai se maravilhar com algumas das imagens apresentadas no site Astronomy Picture of the Day na semana passada. Um deles mostra uma galáxia com um formato que parece se assemelhar ao corpo de uma baleia visto de lado, e outro traz uma nebulosa conhecida como “Nebulosa da Águia”, também devido ao seu formato.

Entre outros registros incríveis aqui está uma sequência de fotos da Lua, com fotos tiradas ao longo de 28 dias. Além disso, outra foto leva você a observar Europa, um dos satélites naturais de Júpiter, que aparece em um registro capturado pela sonda Juno.

Verificação de saída:

Sábado (1º) — Mudanças de fase da Lua

Se você reservar um tempo para observar a Lua todas as noites, notará que a parte iluminada do nosso satélite natural muda pouco a pouco, formando as diferentes fases lunares ao longo do mês. A composição de fotos acima mostra o progresso das fases da Lua, fotografadas de uma noite de 29 de julho para uma manhã de 26 de agosto.

Cada lunação (nome dado ao ciclo lunar) dura aproximadamente 29,5 dias, mas no caso da sequência acima, o fotógrafo produziu os registros ao longo de 28 dias. Nenhuma foto foi tirada logo após ou imediatamente antes da fase nova, pois, como a Lua está muito pouco iluminada em sua superfície nesses momentos, seria difícil observá-la.

A nova fase cheia e as outras que conhecemos são o resultado da luz solar refletida da superfície lunar. Como nosso satélite natural orbita a Terra e esta, por sua vez, orbita o Sol, a quantidade de luz que incide na superfície da Lua varia ao longo do mês, formando as oito fases lunares.

Domingo (2) – Supernova expelindo pulsar

Cerca de 10.000 anos atrás, uma estrela massiva terminou sua “vida” explodindo em uma grande supernova, que deixou para trás o remanescente CTB 1. As supernovas são eventos extremamente poderosos por si só, e este não foi diferente: o evento não apenas destruiu a estrela, também disparou um pulsar (uma estrela de nêutrons muito densa e de rápida rotação) através da Via Láctea.

No caso da imagem, o pulsar PSR J0002+6216 (ou apenas “J0002”), gira 8,7 vezes por segundo e emite pulsos de radiação gama a cada rotação. J0002 foi encontrado viajando pelo espaço a cinco vezes a velocidade média vista em pulsares “comuns”, e se move mais rápido do que 99% daqueles com velocidades medidas.

Esta “bola de canhão cósmica” foi identificada a 53 anos-luz do remanescente CBT1. Não se sabe exatamente como atingiu uma velocidade tão alta, mas é possível que tenha sido “empurrado” pela supernova que formou o remanescente, escapando da explosão cerca de 5.000 anos depois de ter ocorrido. Algum dia, o objeto eventualmente escapará de nossa galáxia.

Segunda-feira (3) — Lua Europa pela sonda Juno

Esta é a lua Europa, um dos vários satélites naturais de Júpiter, que é visto aqui como fotografado pela sonda Juno. A espaçonave recentemente fez outro sobrevoo desta lua distante e chegou a apenas 325 km de sua superfície, marcando uma aproximação recorde desta lua. Esta é apenas a terceira vez que uma sonda chega tão perto de Europa desde 3 de janeiro de 2000, quando a missão Galileo chegou a 351 km de sua superfície.

Além dos dados coletados, o sobrevoo rendeu uma bela foto da crosta de Europa. A imagem mostra uma área de 150 km por 200 km, e é o registro de maior resolução já obtido do satélite natural. Agora, os cientistas da missão vão se debruçar sobre os dados coletados durante um sobrevoo de Europa e um sobrevoo de Júpiter, que ocorreu apenas sete horas e meia após a visita à lua.

Considerada a sexta maior lua do Sistema Solar, Europa é um satélite natural de grande interesse para os cientistas. É só que contém um oceano de água salgada sob sua crosta espessa congelada, que pode ser capaz de sustentar a vida. Assim, a NASA enviará a missão Europa Clipper para lá na próxima década, com o objetivo de tentar encontrar as respostas para as muitas perguntas sobre esse mundo congelado.

Terça-feira (4) – Nebulosa da Águia Sem Estrelas

Você pode olhar para esta foto da nebulosa M16 e ver alguma forma familiar, talvez semelhante a uma águia – que, é claro, é “a culpa” da pareidolia. Não há águia nesta foto de uma nebulosa conhecida, e qualquer semelhança com o pássaro não é exatamente uma coincidência, mas sim o resultado da tendência do cérebro humano de reconhecer formas familiares em padrões abstratos ou aleatórios.

Mesmo assim, a forma da nebulosa lhe rendeu o apelido de “Nebulosa da Águia”. Podemos começar a explorá-la a partir do centro da foto, onde há uma região muito brilhante: ali, há uma espécie de “janela”, que se abre para um aglomerado estelar aberto ainda em formação. Nesta cavidade, existem grandes pilares e glóbulos de poeira, juntamente com gás frio, onde as estrelas estão se formando.

Esta imagem foi captada ao longo de 22 horas de exposição, e mostra esta “fábrica estelar” a funcionar a toda a velocidade com um detalhe interessante: pode parecer contraditório, mas podemos apreciar os detalhes dos processos de formação estelar ali porque as várias estrelas que estar na foto foram removidos digitalmente.

Quarta-feira (5) – Sonda DART cai em Dimorphos

A espaçonave DART colidiu com o asteroide Dimorphos a cerca de 11 milhões de quilômetros da Terra em uma missão histórica que testou uma técnica de defesa planetária pela primeira vez. O impacto liberou uma grande nuvem de detritos brilhantes, que aparece neste vídeo com imagens capturadas pelo Observatório Les Makes na Ilha da Reunião.

O ponto de partida é Didymos, o asteróide que Dimorphos orbita; este, por sua vez, aparece a seguir. A sequência de imagens é breve, mas mostra um processo surpreendente: o asteroide ficou bastante brilhante logo após o impacto e, poucos segundos após a colisão, a rocha espacial ficou ainda mais brilhante. Em menos de um minuto, uma nuvem de material ejetado foi expelida para o leste e se dissipou lentamente.

Exatamente por que a pluma de detritos brilhou tanto continua a ser visto, e astrônomos e cientistas de todo o mundo analisarão dados da missão DART para investigar seus resultados e tentar responder a essa e outras perguntas. No futuro, a Agência Espacial Europeia lançará a missão Hera em direção à dupla de asteroides, para estudar de perto os efeitos do impacto.

Quinta-feira (6) – Galáxia da Baleia

Esta é uma bela galáxia do tipo espiral, mas como aparece de lado em nossa perspectiva, não podemos admirar os braços típicos desse tipo de galáxia. Por outro lado, seu ângulo de visão nos oferece uma boa visão de seu disco levemente distorcido, com uma forma que, graças à pareidolia, lembra o corpo de uma baleia também visto de lado. Por isso, ficou conhecida como a “Galáxia da Baleia”.

Observar a NGC 4631 de lado ajuda os astrônomos profissionais a entender melhor o gás e as estrelas fora do plano da galáxia. É semelhante em tamanho à Via Láctea e, na foto, aparece com seu núcleo amarelado acompanhado de aglomerados estelares azuis, juntamente com regiões de formação estelar avermelhadas.

A foto também apresenta NGC 4627, uma pequena galáxia elíptica que aparece logo acima da Baleia. Os objetos que parecem mais brilhantes, quase ocultos, são correntes estelares formadas pelos remanescentes de pequenas galáxias vizinhas, que foram perturbadas por vários encontros com a Galáxia da Baleia no passado.

Sexta-feira (7) — Júpiter e a lua Ganimedes

No final de setembro, Júpiter estava em oposição, ou seja, estava no ponto de sua órbita que o aproximava da Terra. Essa foi a aproximação mais próxima de Júpiter nos últimos 59 anos, e nos permitiu observar o planeta gasoso ainda mais brilhante que o normal no céu noturno, com sua face voltada para nós totalmente iluminada pelo Sol.

O astrofotógrafo que capturou esta imagem não perdeu tempo e posicionou um pequeno telescópio em seu quintal para observar o planeta durante a oposição. A imagem mostra diferentes características de Júpiter, como cinturões escuros e áreas mais claras, junto com tempestades ovais e, claro, a Grande Mancha Vermelha, a maior tempestade do Sistema Solar.

No lado direito da foto está a lua Ganimedes. É a maior lua do Sistema Solar e, quando se trata de tamanho, está até à frente de Mercúrio e do planeta anão Plutão. Além disso, esta lua abriga um grande oceano de água salgada sob sua crosta, que parece ser 10 vezes mais profundo que o oceano do nosso planeta. Esta é a única lua conhecida com um campo magnético próprio.

Fonte: APOD